Publicidade

Aviso prévio: tire suas dúvidas!

27/11/18 10:18 -

Atualizado em

Aviso prévio é um tema que costuma gerar várias dúvidas, tanto para funcionários quanto para empregadores. Aliás, isso é muito comum quando se fala de questões trabalhistas em geral.

Especialmente em tempos de mudanças nas leis, quando fica ainda mais difícil ter certeza sobre o que continua valendo e o que já foi alterado.

Pensando nisso, preparamos um artigo explicando as regras atuais sobre.

Publicidade

  • Como funciona o aviso prévio.
  • Quem tem direito.
  • Quais são os prazos e valores estabelecidos por lei.

Acompanhe para ficar bem informado!

Como funciona o aviso prévio?

Publicidade

O aviso prévio, previsto na CLT, nada mais é do que a obrigação que ambas as partes (empregado e empregador) possuem de comunicar com antecedência que não desejam prosseguir com a relação de trabalho.

Na prática significa que, a empresa precisa avisar ao funcionário que ele será demitido e o empregado também tem a obrigação de comunicar que pedirá demissão.

Para o funcionário, o período do aviso prévio serve principalmente para procurar um novo emprego.

Já do lado da empresa, com a comunicação prévia do empregado é possível procurar alguém para substituí-lo a tempo.

Quem tem direito

O empregado tem direito ao aviso prévio em todos os casos de demissão sem justa causa.

Existem duas formas de usufruir desse direito: aviso prévio trabalhado e aviso prévio indenizado.

CTPS - Aviso Prévio

Veja também:

Aviso prévio trabalhado

É quando o funcionário segue trabalhando após receber a comunicação de que será demitido.

Nesse caso existem duas opções para o trabalhador:

  • Ter uma redução de 2 horas em sua jornada de trabalho diária. Assim ele pode sair duas horas mais cedo ou entrar duas horas mais tarde todos os dias.
  • Não trabalhar durante 7 dias consecutivos (no final do período de aviso prévio).

Esses benefícios foram pensados para facilitar a procura de um novo emprego. Logo, o direito à redução da jornada de trabalho ou de faltar 7 dias consecutivos não se aplica quando ocorre o pedido de demissão.

Ao pedir demissão, o empregado fica obrigado a cumprir o período de aviso prévio integralmente.

Aviso prévio indenizado

Em caso de demissão imediata, quando a empresa não comunica com antecedência ao empregado que ele será desligado, o empregador precisa indenizar (pagar) o valor correspondente a esse período.

Por outro lado, o funcionário que pede demissão e não cumpre o aviso prévio pode ter o valor correspondente descontado de sua rescisão. Aqui é o trabalhador quem precisa indenizar a empresa por não cumprir o aviso.

Admissão em um novo emprego durante o aviso prévio

E se o funcionário conseguir um novo emprego enquanto estiver cumprindo o aviso? Ele pode ser punido por não trabalhar todo o período previsto em lei?

Caso isso ocorra, o empregado deve pedir uma carta de admissão em seu novo emprego e apresentar o documento na empresa onde está cumprindo o aviso.

Sendo assim, o empregado não terá nenhum valor descontado de sua rescisão. E ainda, o antigo empregador terá que pagar apenas os dias efetivamente trabalhados.

Como a lei visa principalmente proteger o empregado quando ocorre demissão sem justa causa, não faria sentido que a recolocação profissional trouxesse algum prejuízo.

Confira também, como calcular suas horas extras aqui.

Prazos e valores

O empregado tem direito a receber todos os dias trabalhados durante o aviso prévio em sua rescisão, tendo como base o salário registrado.

Todavia, é importante lembrar que faltas injustificadas durante período podem ser descontadas na rescisão.

Vale ainda mencionar que, se o funcionário optou por não trabalhar os últimos 7 dias ou duas horas menos por expediente, esse tempo não pode ser descontado.

Contudo, quando é o empregado quem pede demissão e não cumpre o aviso, o valor a ser descontado na rescisão será correspondente a 30 dias de trabalho.

Prazos

O prazo mínimo estabelecido para comunicar previamente a demissão, tanto para empregadores quanto para funcionários, é de 30 dias.

Porém, a  Lei 12506/11 trouxe algumas mudanças, acrescentando 3 dias a mais para cada ano de serviço prestado à empresa pelo trabalhador.

O limite máximo de acréscimo é de 60 dias, o que corresponde a 20 anos de trabalho. Com a nova lei, a empresa é obrigada a comunicar a demissão com até 90 dias de antecedência (30 dias mínimos mais os acréscimos por anos trabalhados).

Aviso Prévio e Agendamento do Seguro Desemprego

Prazo de pagamento

O aviso prévio trabalhado deve ser pago na rescisão de trabalho. E por lei a rescisão deve ser paga no primeiro dia útil após o fim do contrato. O fim do contrato para fins legais é o último dia de cumprimento do aviso.

Contudo, já o aviso indenizado deve ser pago em até dez dias corridos após a demissão sem justa causa.

Como vimos, o aviso prévio é ao mesmo tempo um direito e um dever de funcionários e empresas. E você, ainda tem alguma dúvida sobre o tema? É só deixar um comentário!

DICA: Veja mais direitos do trabalhador – Saque do Abono Salarial

 

Publicidade

Conteúdos relacionados à este

Tudo sobre Insalubridade

Tudo sobre Insalubridade

Bom, provavelmente você já escutou a palavra ‘insalubridade’ uma vez na vida, não é mesmo? E dependendo do local que você trabalha ou da sua posição essa palavra pode aparecer com mais frequência do que você realmente gostaria. Mas apesar de já estar familiarizado com...

ler mais
Horas Extras

Horas Extras

Ficar depois do trabalho é uma das atividades mais chatas para boa parte dos trabalhadores. No entanto, as horas posteriores ao expediente de trabalho podem ser consideradas horas extras, rendendo uma boa quantia adicional no pagamento ou indo para o banco de horas e,...

ler mais

Deixe um comentário aqui